Skip to content

A Bitcoin é uma forma digital de moeda, criada e manipulada eletronicamente. Ninguém a controla, As Bitcoins não são impressas, como os dólares ou euros – elas são produzidas por inúmeras pessoas que têm computadores por todo o mundo, utilizando software que somente que resolve problemas matemáticos. É o primeiro exemplo de uma categoria crescente de dinheiro conhecido como criptomoeda.

1. O que é que faz com que seja diferentes das moedas normais?

A Bitcoin pode ser utilizada para comprar coisas eletronicamente. Dessa forma, é como os dólares, euros ou ienes convencionais, que também são transacionados digitalmente. Contudo, as caraterísticas mais importantes dos bitcoins, e aquilo que faz com que seja diferente do dinheiro convencional, é que está descentralizada. Não há nenhuma instituição que controle a rede bitcoin. Isto coloca algumas pessoas à vontade, porque significa que um grande banco não pode controlar o seu dinheiro.

2. Quem a criou?

Um desenvolvedor de software chamado Satoshi Nakamoto propôs a bitcoin, que era um sistema de pagamento eletrónico baseado numa prova matemática. A ideia era produtiz uma moeda independente de qualquer autoridade central, transferida eletronicamente, mais ou menos instantaneamente, com muito baixas taxas de transação.

3. Quem a imprime?

Ninguém. Esta moeda não é fisicamente impressa à sombra por um banco central, sem nenhuma pessoa ser responsável por ela, e fazendo as suas próprias regras. Esses bancos podem simplesmente produzir mais dinheiro para cobrir a divida nacional, assim desvalorizando a sua moeda.

Ao invés, a bitcoin é criada digitalmente, por uma comunidade de pessoas, a que qualquer um se pode juntar. As Bitcoins são 'minadas', utilizando energia do computador numa rede distribuída. Esta rede também processa transações feitas com moeda virtual, efetivamente fazendo com que a bitcoin seja a sua própria rede de pagamento.

4. Quer dizer que posso criar bitcoins ilimitadas?

Exatamente. O protocolo Bitcoin – as regras que fazem com que a bitcoin funcione - dizem que somente podem ser criadas na totalidade 21 milhões de bitcoins pelos mineiros. Contudo, estas moedas são divididas em partes mais pequenas (a quantia mais pequena divisível é de um centésimo de milionésimo de uma bitcoin e é designada por 'Satoshi', de acordo com o fundador da bitcoin).

5. Em que é que se baseia?

A Bitcoin baseia na matemática

A divisa convencional tem-se baseado no ouro ou prata. Teoricamente, sabia que se entregasse um dólar ao banco, que poderia receber algum ouro em retorno (apesar de isto na prática não funcionar bem assim). Mas a bitcoin não se baseia no ouro; baseia-se na matemática.

Por todo o mundo, as pessoas estão a utilizar programas de sogtware que permitem que uma fórmular matemática produza bitcoins. A fórmular matemática é gratuitamente disponibilizada, por isso qualquer um pode ver isso. O software também é open source, o que significa que qualquer um pode vê-lo para se certificar de que ele faz o que é suposto fazer.

6. Quais são as suas caraterísticas?

A Bitcoin tem várias caraterísticas importantes que a destinguem das habituais divisas fiduciárias.

a. É descentralizada

A rede bitcoin não é controlada por uma autoridade central. Todas as máquinas que minam bitcoins e processam transações fazem parte da rede, e as máquinas trabalham em conjunto. Isto significa, em teoria, que uma autoridade central não pode afunilar a política monetária e causar um colapso - ou simplesmente decidir retirar as bitcoins das pessoas, como o Banco Central Europeu decidiu fazer no Chipre no início de 2013. E se alguma parte da rede ficar offline por alguma razão, o dinheiro continua a fluir.

b. É fácil de configurar

Os bancos convencionais fazem com que ultrapasse obstáculos só para abrir uma conta bancária. Definir contas de comerciante para pagamento é outra tarefa Kafkiana, envolvida em burocracia. Contudo, pode definir um endereço bitcoin em segundos, sem ser colocada nenhuma questão, e sem ter de pagar taxas.

c. É anónimo

Bem, mais ou menos. Os utilizadores podem deter múltiplos endereços bitcoin, sem serem associados nomes, endereços, ou outra informação de identificação pessoal. Contudo... bitcoin é perfeito para jogos de azar on-line

d. É totalmente transparente

…a bitcoin armazena detalhes de todas as transações que alguma vez ocorreram na rede numa enorme versão de um registo geral, designado por cadeia de bloco. A cadeia de bloco diz tudo. Se tem um endereço público de bitcoin, qualquer um pode dizer quantas bitcoins foram armazenadas nesse endereço. Eles simplesmente sabem que é seu. Contudo, existem medidas que as pessoas podem tomar para fazerem com que as suas atividades sejam mais ópacas na rede bitcoin, tais como não utilizar continuamente o mesmo endereço, e não transferir imensas bitcoins para um único endereço.

e. As taxas de transação são minúsculas

O seu banco pode cobrar uma taxa de £10 por transferências internacionais. A bitcoin não o faz. Mas a http://www.bitcoinbinaryoptions.net/

f. É rápida

Pode enviar dinheiro para qualquer lado e chegará minutos depois, assim que a rede bitcoin processar o pagamento.

g. É não repudiável

Quando as suas bitcoins são enviadas, não há como rereavê-las, a não ser que o recepiente as devolva. Elas vão para sempre.

Portanto, a bitcoin tem imenso a seu favor, em teoria. Mas como é que funciona, na prática? Leia mais e descubra como são minadas as bitcoins, o que acontece quando ocorre uma transação de uma bitcoin e como a rede regista tudo.

Importância do Dólar Australiano

O banco central na Austrália é designado por Banco da Reserva da Austrália. Como a 5ª mais transacionada divisa no mundo, o dólar Australiano também é mencionado como buck, dough, ou o Aussie. O Dólar Australiano é conhecido como uma divisa de mercadorias devido às suas substânciais exportações de matérias primas. Como resultado, o AUD é afetado pela China e outros mercados importadores asiáticos. Devido às suas relativamente elevadas taxas de juro, o Dólar Australiano é frequentemente utilizado em carry trades com o Japonês Yen. Uma carry trade é uma estratégia na qual uma divisa com uma inferior taxa de juros é vendida para comprar uma moeda com uma superior taxa de juros.

Início da Moeda na Austrália

Quando o Novo Gales do Sul foi estabelecido pela primeira vez em 1788 a Libra Inglesa era a moeda oficial, apesar de os Dólares Espanhóis terem sido utilizados com bastante regularidade. Em 1813, para tentar desencorajar o uso ilegal de Dólares Espanhóis, os centros de moedas foram cortados, ficaram conhecidos como 'dólares furados' e os núcleos eram designados por 'depósitos'; esta foi a primeira forma de cunhagem da Austrália.

Da Libra Esterlina ao Dólar Australiano

Em 1825, o governo impôs o padrão esterlino e as moedas britânicas começaram a ser cunhadas na Austrália. Estas moedas de prata e bronze continuaram a ser utilizadas até 1910, quando uma nova moeda nacional, a Libra Australiana, foi introduzida. A Libra Australiana foi fixada no valor em relação à Libra Esterlina e, como resultado, utilizou o padrão ouro. Três anos mais tarde, as primeiras séries de notas australianas foram imitadas. Em fevereiro de 1966, o Dólar Australiano (AUD) foi introduzido sob um sistema decimalizado; os dólares e cêntimos substituiram as libras, xelins e centavos. Em 1988, as notas foram convertidas para polímero, uma tecnologia originalmente desenvolvida na Austrália para ajudar a prevenir a contrafação.

Historicamente, o "ruble" era uma peça de um determinado peso cortada de um lingote de prata (grivna), daí o nome. Outra versão da origem da palavra é a de que vem do nome russo рубль, rubets, ex., a emenda após o molde: foi adicionada prata à fundição em dois passos. Portanto, a palavra ruble significa "um molde com uma emenda".

O ruble foi o equivalente russo do marco, uma medida de peso para a prata e ouro utilizada na Europa ocidental medieval. O peso de um ruble era igual ao peso de um grivna.

Em russo, um nome folclórico para o "ruble", tselkovyj, robusto), é conhecido, que é uma abreviatura de ("tselkovyj ruble"), ex., um robusto, ruble sem cortes.[necessária citação] Este nome persiste na palavra Mordvin para rouble

As palavras kopek, kopeck, copeck, ou kopeyka (em russo: kopeyka) são um diminutivo do russo kop'yo — uma lança. As primeiras moedas kopek, cunhadas no Novgorod e Pskov a partir 1534 em diante, ostentavem um cavaleiro com uma lança. A partir de 1540 em diante o cavaleiro ostenta uma coroa, e sem dúvida a intenção era representar Ivan o Terrível, que foi um Grande Príncipe de toda a Rússia até 1547, e Czar posteriormente. As subsequentes conhagens da moeda, iniciadas no século XVIII, ostentavam ao invés São Jorge derrubando uma serpente.

Desde a reforma monetária de 1534, um ruble russo passou a ser equivalente a 100 moedas de prata Novgorod denga ou a 200 das mais pequenas moedas Muscovite denga ou a 400 das aindas mais pequenas moeds polushka. Exatamente a antiga moeda com um cavaleiro nela passou a ser coloquialmente conhecida como kopek e era a maior moeda até ao início do século XVIII. As moedas ruble não existiram até Pedro o Grande, quando em 1704 reformou o antigo sistema monetário e ordenou a cunhagem de moedas de ruble com 28 gramas de prata, equivalentes a 100 novas moedas de cobre kopek. Para além das moedas de um ruble e um kopek, outras mais pequenas e maiores meds também existiram.

Início da Moeda na China

Com uma história com mais de 3000 anos, a moeda chinesa exitiu quer na China antiga como na imperial. Em 1914, o Dólar Prata foi estabelecido como divisa oficial da República da China, com as moedas de cobre, fen e nickel a serem adicionadas em 1930. Durante este tempo a prata valorizou-se e a China não pode mais reter o padrão prata. Em 1935, foi emitida uma nova moeda conhecida por Fabì.

Introdução do Ouro Yuan e do Yuan Renminbi Chinês

O Ouro Yuan substituiu o Fabì em 1948 a uma taxa de 1 Ouro Yuan para 3 milhões de Yuan Fabì. Nesse mesmo ano, o Yuan Renminbi (frequentemente designado por RMB) foi introduzido como uma forma para ajudar a estabilizar as áreas detidas pelos comunistas do território chinês. Em 1955, a reavaliação ocorreu e um novo Yuan Renminbi foi introduzido a uma taxa de 1 novo Yuan para 10.000 antigos Yuan.

O Renminbi no Mercado de Câmbio

Durante o comando da economia, o Yuan Renminibi Chinês foi definido para valores de câmbio irrealistas e como resultado, foram colocadas em lugar severas diretrizes de divisa. Quando a economia chinesa abriu em 1978, o Yuan Renminbi só foi utilizado domesticamente e os estrangeiros utilizavam certificados de câmbio, este levou a um poderoso mercado negro. De 1997 até 2005, o governo chinês indexou o Yuan Renminbi Chinês ao Dólar Americano, a aproximadamente 8.3 CNY para 1 USD. Em 2005, foi aplicado um mecanisno flexível de taxa de câmbio, com o RMB a ser reavaliado para 8.1 Renminbi por Dólar Americano. O governo chinês lançou um programa piloto em 2009, permitindo que alguns negócios em Guangdong e Shangha executassem e efetuassem transações com terceiros em Hong Kong, Macau, e países selecionados. O programa desde então expandiu-se a todas as áreas da China e a todos os terceiros internacionais. A China também realizou acordos com a Austrália, Japão, Tailândia, Rússia e Vietname, para permitir a transação direta de moeda, ao invés de a converter para o Dólar Americano. Como flutuação controlada, o valor do Renminbi é determinado por um grupo de divisas estrangeiras.

Importância do Dólar Canadiano

O Dólar Canadiano é a sétima divisa mais transacionada no mercado Forex, pois muitas instituições e indivíduos transacionam o CAD. As pessoas também se referem ao CAD como Loonie, buck, Huard, e Piastre (em francês). O Dólar Canadiano é detido como uma divisa de reserva por uma série de bancos centrais. TAmbém é conhecido como uma divisa de mercadoreias, devido às substãncias exportações do país ao nível da matéria prima.

Introdução ao CAD

A moeda foi inicialmente introduzida no Canadá no incício de 1660, quando os colonizadores franceses trouxeram moedas para a área. As primeiras notas foram emitidas no Canadá em 1821 pelo Banco de Montreal e rapidamente se transformaram no método primário de pagamento. Em 1841, enquanto colónia Britânica, a Província do Canadá começou a emitir uma moeda designada por Libra Canadiana; mas em 1858, o Dólar Canadiano substitui a Libra e alinhou com o Dólar Americano. Durante este período, quer as Soberanias dos Dólares Americanos como o Ouro Britânico eram referências legais dentro das fronteiras do Canadá. Após a Confederação Canadiana, o governo decimalizou a divisa e foram emitidas uma nova série de moedas nos territórios do Canadá. O Banco do Canadá foi fundado em 1934 com as primeiras notas a serem emitidas um ano mais tarde. A primeira moeda canadiana foi introduzida em 1987 e a moeda de dois dólares (frequentemente designada de Toonie) foi lançada em 1996. Em 2011, O Banco Central do Canadá emitiu uma nova série de notas, impressas sobre material de polímero.

O banco central do Reino Unido é o Banco de Inglaterra. Como a quarta mais transacionada moeda, a Libra Britânica é a terceira moeda detida em reserva no mundo. Os nomes comuns para a Libra Britânica incluem a Libra Esterlina, ESterlina, Quid, Cable e Nicker.

Importância da Libra Britânica

A Libra Britânica é a mais antiga moeda ainda utilizada nos dias de hoje, para além de ser uma das mais frequentemente convertidas moedas. Também tem o valor mais elevado entre as divisas. As Ilhas Falkland, Gibraltar e Santa Helena estão todos indexados em paridade à GBP.

Início da Moeda na Grã-Bretanha

Com as suas origens a datarem do ano de 760, a Libra Esterlina foi introduzida pela primeira vez como penny de prata, que se espalhou pelos Reinos Anglo-Saxões. Em 1158, o design foi alterado e ao invés da prata pura as novas moedas foram cunhadas com 92.5% de prata e passaram a ser conhecidas como a Libra Esterlina. As moedas de prata eram a única cunhagem utilizada em Inglaterra até o xelim ter sido introduzido em 1487 e a libra, dois anos mais tarde, em 1489.

Notas da Libra Britânica e o Padrão de Ouro

As primeiras notas de papel foram introduzidas em 1694, com a sua base legal a ser alterada da prata para o ouro. O Banco de Inglaterra, um dos primeiros bancos centrais no mundo, foi fundado um ano mais tarde, em 1695. Todas as notas esterlinas eram escritas à mão até 1855, quando o banco começou a imprimir todas as notas. No início do século XX, mais países começaram a indexar as suas divisas ao ouro. Foi criado um padrão de ouro, o que permitiu a conversão entre moedas de diferentes países e revolucionou as transações e a economia internacional. A Grã-Bretanha adotou oficialmente o padrão ouro em 1816, embora tenha utilizado o sistema desde 1670. A força da Esterlina que adveio do padrão ouro levou a um período de maior crescimento económico na Grã-Bretanha até 1914.

A Libra Britância e a Área Esterlina

A Libra Britânica não foi só utilizada na Grã-Bretanha, mas também circulou pelas colónias do Império Britânico. Os países que utilizaram a Libra passaram a ser designados por Área Esterlina e a Libra cresceu para se transformar globalmente popular, detida como moeda de reserva em muitos bancos centrais. Contudo, à medida que a economia Britânica começou a decair o Dólar Americano cresceu no seu domínio. Em 1940, a Libra foi indexada ao Dólar Americano à taxa de 1 Libra por $4.03 Dólares Americanos e muitos outros países acompanharam-na, indexando as suas respetivas divisas. Em 1949, a Libra foi desvalorizada em 30% e uma segunda desvalorização seguiu-se em 1967. Quando a Libra Britânica foi decimalizada e começou a oscilar livremente no mercado, em 1971, a Área Esterlina foi extinta. De seguida, a Libra Britânica viveu uma série de altos e baixos.

1976: Ocorreu uma crise esterlina e o Reino Unido recorreu ao Fundo Monetário Internacional para obter um empréstimo
1988: A GBP começou a fazer sombra ao Marco Alemão
1990: O Reino Unido juntou-se ao Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio, embora se tenha retirado do mesmo dois anos depois
1997: O controlo das taxas de juro passou a ser da responsabilidade do Banco de Inglaterra

Embora o Reino Unido seja um membro da União Europeia, ainda não adotou o euro como sua divisa.

Importância do Franco Suíço

O Franco Suíço tem uma reputação por ser um refúgio seguro ou uma moeda dura; é frequentemente comprado durante incerteza financeira devido à sua fiabilidade e estabilidade. Regularmente utilizado como uma moeda de reserva global, o Franco Suíço é a sexta moeda mais transacionada no mundo. Todas as notas CHF apresentam os quatro idiomas nacionais da Suíça: Alemão, Romanche, Francês e Italiano.

Breve História do Franco Suíço

Anterior à República Helvética, mais de 860 diferentes moedas circulavam na Suíça. Em 1798, a moeda Fanco foi introduzida e utilizada até 1803, juntamente com uma série de moedas estrangeiras. Durante este período, havia um complexo sistema monetário, composto por 8.000 diferentes moedas e notas em circulação. Segundo o Acto de Cunhagem Federal, todas as moedas foi substituídas pelo Franco Suíço, que foi introduzido em paridade com o Franco Francês em 1850. A Suíça adotou o padrão ouro em 1865 como membro da União Monetária Latina, mantendo-o legalmente até 2000.

O Banco Central dos Estados Unidos é designado por Banco da Reserva Federal (geralmente referido como "The Fed"). O USD é a moenda mais transacionada no mercado forex e pode ser emparelhado com todas as maiores moedas. Os nomes comuns para o USD incluem o greenback, buck, green, dough, smacker, bones, dead presidents, scrillas, e paper.

Importância do Dólar Americano

O Dólar Americano é a moeda mais geralmente convertida no mundo e é regularmente utlizada como referência no mercado Forex. Como moeda de reserva dominante a nível global, é trabalhada por praticamente todos os bancos centais no mundo. Adicionalmente, o Dólar é utilizado como a moeda padrão no mercado de mercadorias e, portanto, tem um impacto direto nos preços das mercadorias.

Dolarização do USD

Devido à sua aceitação internacional, alguns dos países como o Panamá e Equador utlizam o USD como uma moeda legal oficial, uma prática conhecida como dolarização. Para outros países o Dólar é uma alternativa forma de pagamento aceite, apesar de não ser uma moeda oficial para o país.

Hoje em dia é possível pela primeira vez que os não americanos americanos possam facilmente obter uma conta bancária em dólares americanos através da Internet num banco americano. Isto é possível graças às empresas internacionais de última geração da FinTech, especializadas em transferências internacionais de dinheiro com câmbio livre integrado. Estes chamados bancos virtuais competem maciçamente com os bancos tradicionais do sector financeiro.

Introdução do Dólar Americano

Em 1785, o Dólar foi oficialmente adotado como a unidade monetária dos Estados Unidos. A Lei da Cunhagem de 1792 criou a primeira cunhagem dos Estados Unidos e estabeleceu o sistema monetário federal, para além de ter definido denominações para moedas especificadas pelo valor do ouro, prata e cobre.

Em 1861, O Tesouro dos Estados Unidos emitou Notas não portadoras de juros e as primeiras Notas de $10, apresentando Abraham Lincoln, entraram em circulação. Estas notas rapidamente ganharam a sua alcunha de 'Greenbacks' devido à sua cor.

Em 1863, o sistema bancário nacional foi estabelecido e foram criadas as diretrizes para os bancos nacionais. Estes bancos foram autorizados a emitir a moeda nacinal, assegurada pela compra de títulos dos Estados Unidos. Em 1914, foram emitidas as primeiras notas da Reserva Federal de $10.

Padrão da Prata e do Ouro nos Estados Unidos

Durante anos, os Estados Unidos tentaram realizar um padrão bimetálico, inciado pela adoção de um padrão de prata baseado no Dólar Espanhol Branqueado em 1785. Contudo, as moedas de prata em breve deixaram a circulação, ficando totalmente suspensas em 1806.

Por esta altura, a maioria dos países já tinha iniciado o processo de padronização das transações, adotando o padrão de ouro, significando que qualquer dinheiro em papel podia ser trocado pelo governo pelo seu valor em ouro.

O sistema Bretton-Woods foi adotado pela maioria dos países para definir as taxas de câmbio para todas as moedas em termos de ouro. Dado que os Estados Unidos detinham a maior parte do ouro do mundo, muitos países simplesmente anexaram o valor da sua moeda ao Dólar.

Os bancos centrais mantiveram taxas de câmbio fixas entre as suas moedas e o dólar, transformando o Dólar Americano na moeda de facto do mundo. Em 1973, os Estados Unidos finalmente dissociaram por completo o valor do Dólar em relação ao ouro.

Outras fontes:
https://www.federalreserve.gov
https://www.usa.gov/federal-agencies/federal-reserve-system

Importância do Iene Japonês

O Iene japonês é a terceira moeda mais transacionada no mundo, e a moeda mais fortemente transacionada na Ásia. Devido às suas relativamente baixas taxas de juro, o Iene japonês é frequentemente utilizado para executar transações com o Dólar Australiano e o Dólar Americano. Uma transação de investimento (carry trade) é uma estratégia na qual uma moeda com baixa taxa de juros é vendida para se comprar uma moeda com uma taxa de juros superior.

O Início da Moeda Japonsesa

A história da moeda no Japão começou no século VIII, quando as moedas de prata e cobre, designadas por Wado Kaichin, comecaram a ser cunhadas em 708. Estas moedas imitavam as moedas chinesas, e quando o Japão não conseguiu produzir mais as suas moedas, a moeda chinesa foi importada para o país. Com o decorrer dos próximos séculos, o afluxo de moedas chinesas não parecia ir de encontro à procura portanto, para contrariar este problema, entraram em circulação duas moedas japonesas de cunhagem privada, o Toraisen e o Shichusen, entraram em circulação entre o século XIV e o século XVI. Por volta do século XV, a cunhagem de moedas de ouro e de prata, conhecida como Koshu Kin foi encorajada e a cunhagem de ouro cedo passou a ser o novo padrão de moeda. O governo posteriormente estabeleceu um sistema monetário unificado que era constituído por moeda de ouro, assim como por moedas de prata e cobre.

O Iene Japonês dos Dias Modernos

Por volta do século XIX, os Dólares Espanhóis foram utilizados no Japão, juntamente com as moedas locais. Para simplificar e centralizar as diferentes moedas que estavam a ser utilizadas na altura, o Iene (que significa 'círculo' ou 'objeto redondo') foi criado em 1871. O Novo Ato da Moeda desenvolveu um sistema similar ao europeu, com o sistema de conta decimal. O Iene operou sob um padrão bimetálico de ouro e prato até 1897, quando foi deixada sobre um padrão exlusivo de ouro. Após a Segunda Guerra Mundial, o Iene perdeu muito do seu valor e em 1971, fixou a taxa de câmbio à do Dólar Americano, a uma taxa de 308 JPY para 1 USD. Isto dorou até 1973 quando mudou para uma taxa de câmbio flutuante.

O banco central na Europa é designado por Banco Central Europeu (BCE). Atualmente, 17 estados membros da UE adotaram o Euro. É a segunda moeda mais transacionada no mercado forex, após o Dólar Amerciano, e também uma das maiores reservas de divisa globais. Outro nomes comuns incluem Yoyo (Irlandês Inglês), Leru (Espanhol), e Ege (Finlandês).

Introdução do Euro

A 1 de janeiro de 1999, o Euro (EUR) foi introduzido como uma moeda de conta, substituindo a Unidade de Moeda Europeia na paridade. A Unidade de Moeda Europeia era um cesto teórico de moedas, ao invés de ser uma moeda física em e por si própria. Inicialmente, foram onze os países na União Monetária e Económica Europeia que substituiram as suas moedas pelo Euro: Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda, Portugal e Espanha. A Grécia seguiu o exemplo em 2001, a Eslovénia em 2007, Malta e Chipre em 2008 e a Eslováquia em 2009. Em 1 de janeiro de 2014, os lats letões também foram substituídos pelo Euro.

Utilização do Euro fora da UE

Uma série de estados soberanos, que não fazem parte da União Europeia têm desde então adotado o Euro, incluindo o Principado de Andorra, o Principado do Monaco, a República de San Marino e a Cidade do Vaticano. O Euro também é utilizado em muitos territórios, departamentos, e estados soberanos de países da zona Euro, tais como os Açores, Ilhas Baleares, as Ilhas Canárias, Ilha Europa, Guiana Francesa, Guadalupe, Juan de Nova, Ilhas da Madeira, Martinica, Mayotte, Ilha da Reunião, Saint-Martin, Saint Pierre e Miquelon, só para enumerar alguns. O Euro é utilizado como divisa comercial em Cuba, Coreia do Norte e Síria e várias moedas estão indexadas ao Euro.